Feira de Inovação apresenta projetos da Ulbra para investidores


Em visita ao Rio Grande do Sul, onde possui uma agenda de conferências e seminários, o empresário alagoano João Kepler Braga, reconhecido como um dos maiores investidores-anjo do país, mostrou-se surpreso com os projetos da Ulbra. Braga participou na noite desta terça-feira, 13 de setembro, do ciclo de palestras Não Há Crise na Inovação, no campus Canoas.

"A Universidade está de parabéns, eu gostei demais do que vi, não esperava encontrar metade do que encontrei aqui", disse o empresário para o público que se aglomerou no saguão do prédio 16 para prestigiar a sua apresentação, a derradeira palestra do ciclo. O evento, que reuniu mais de 250 pessoas para dois dias de debates  sobre desenvolvimento  tecnológico e incubação empresarial, foi a primeira parada de Braga em solo gaúcho.

Sócio de quase 40 Startups e de quatro aceleradoras tecnológicas, ele compartilhou  suas experiências com alunos, professores, pesquisadores e empresários que ouviram atentamente a sua história: a de um homem que foi para o outro lado do balcão no mundo corporativo e de business man frustrado, tornou-se uma das principais pessoas-físicas a investir em micro e pequenos empreendimentos no Brasil. "Nunca tive nenhum tipo orientação e acompanhamento, como o que a Ulbratech oferece hoje, isso faz toda a diferença para quem está começando", confessou o conferencista ao relatar as dificuldades que obteve para estruturar um novo negócio, depois que sua primeira companhia fechou as portas, no começo dos anos 2000. Pouco tempo antes deste desabafo, o diretor da incubadora tecnológica de Canoas, Alexandre Ströher, mostrou aos presentes todas as vantagens da incubação oferecida na Ulbratech. Infraestrutura laboratorial, consultoria jurídica e financeira, assessoramento para a elaboração de planos de negócios e auxílio para a conquista de editais públicos de fomento foram alguns dos pontos levantados pelo gestor em sua explanação. "A incubadora tem que abraçar a empresa, caso contrário não é incubação", disse Ströher ao detalhar todos os serviços oferecidos pela Rede de Inovação da Universidade.

Pesquisas da Ulbra são destaque em Feira de Inovação

As conferências não foram  as únicas atrações do último dia de atividades. Mais cedo, às 16h, dois projetos desenvolvidos por alunos e professores da Rede de Escolas da Ulbra e da Unidade Canoas chamaram a atenção de quem passava pela Feira de Inovação, evento que integrou o Ciclo de Palestras.

Na ocasião, o professor e pesquisador do programa de Pós-graduação em Engenharia de Materiais e Processos Sustentáveis,Luciano Pighinelli, apresentou os resultados encontrados em sua pesquisa sobre a quitosana, uma estrutura encontrada em crustáceos e que possui propriedades medicinais.  Através de testes laboratoriais, o docente e sua equipe conseguiram sintetizar uma nanoestrutura extremamente útil para a confecção de materiais esponjosos de alta absorção. A descoberta, que está em fase de patenteamento, já começa a render frutos: além de uma parceria com o Centro de Informações Toxicológicas do RS para a elaboração de filtros de detecção de drogas, Pighinelli e seus bolsistas estão em tratativas com a Ulbratech para a incubação de uma empresa. "Hoje, além da teoria, o pesquisador precisa achar uma aplicação prática e empreender em cima do que ele descobre, é isso o que eu estou fazendo aqui", salientou o docente,  que atualmente está estruturando o seu plano de negócio.

Os estudantes do curso de Técnico em Química do Colégio Ulbra Cristo Redentor mostraram que também têm espírito empreendedor. Orientada pelo professor Rogério Santejano, a estudante Ana Caroline Machado e seus colegas Leonardo Neponuceno e Michele Dias demonstraram como é possível reduzir o impacto ambiental provocado pela queima de pneus vulcanizados, através da adição de um composto termoplástico à base de amido de milho em sua fabricação. A proposta ainda carece de investimentos, mas, como garante a gerente do Escritório de Projetos e Propriedade Intelectual da Instituição, Soraia Bauermann, mostra a preocupação da Instituição em fomentar, desde cedo, a curiosidade pela pesquisa científica. "É muito bom que eles participem de momentos como esse, assim é que nasce a cultura da inovação", enfatizou a docente.

O Ciclo de Palestras Não Há Crise na Inovação foi organizado pela Inomap, empresa especializada em registro de marcas e patentes, com apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), do Escritório de Projetos e Propriedade Intelectual, da Fulbra e Ulbratech. 

Marcus de Freitas Perez

Jornalista MTb 17.602