Ulbratech recebe importante certificação para incubadoras


Nesta quarta-feira, 10, a Rede Ulbra de Inovação (Ulbratech) recebeu oficialmente o certificado Cerne 1, concedido pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).  O processo avaliativo, realizado pelo Instituto Becker, no dia 12 de março, atesta que a incubadora segue os padrões exigidos pela associação, que vão ao encontro das melhores práticas nacionais e internacionais.

Entre os itens inspecionados, estão o aprimoramento e padronização nos seguintes processos chaves: sensibilização e prospecção, seleção, planejamento, qualificação, assessoria e consultoria, monitoramento dos empreendimentos e a avaliação das empresas que saem da incubadora. Atualmente, existem mais de 400 incubadoras no país e aproximadamente 50 possuem o certificado. No Rio Grande do Sul, onde encontra-se 30 incubadoras, menos de 10 possuem o Cerne, o que coloca a rede de inovação da Ulbra entre um seleto grupo de excelência.

O diretor da Ulbratech, Márcio Machado, considerou a certificação um marco na história da rede Ulbra de inovação, que agora se credencia entre as melhores incubadoras do país, e destacou três ganhos importantes desse reconhecimento. "O primeiro e maior ganho é interno, organizacional. Garante que temos processos padronizados e de qualidade. O segundo é a visibilidade, pois mostra ao mundo que temos processos bem definidos. Em terceiro, e não menos importante, é que temos a possibilidade de captar mais recursos em editais. Há uma tendência de que eles passem a pedir com maior frequência esse certificado, então é um diferencial", explicou o dirigente.

Os desafios para ingressar no processo de certificação

Com ampla discussão sobre requisitos e processos que as incubadoras nacionais deveriam seguir, a partir de 2008 começa-se a criar um modelo. No entanto, só em 2012 a Anprotec começa a trabalhar com editais públicos, juntamente ao Sebrae, para que as incubadoras pudessem implantar o programa desenvolvido.

Para participar do processo de certificação, a Ulbratech precisou reunir esforços para cumprir as exigências do Cerne. As adequações levaram aproximadamente três anos para serem concluídas e, após isso, uma comissão foi montada para ingressar com o pedido de certificação. Alexandre Ströher, gerente da Ulbratech, e Déborah Schefer, assessora da diretoria, ficaram incumbidos de cuidar dos trâmites finais. Déborah destacou o importante apoio do campus da Ulbra Canoas, da Fulbra e do Sebrae, sem os quais, segundo ela, não seria possível chegar ao excelente resultado.

Já Ströher ressaltou que "o processo pode, inclusive, se tornar referência para outros países". Ele ainda adiantou que a tendência é que as outras incubadoras da Ulbra sigam pelo mesmo caminho. "Em Manaus, já está em processo de conclusão dessa adequação e vamos entrar com o pedido de certificação. Os outros campi provavelmente vão fazer o mesmo, de forma gradativa", concluiu o gestor.

Leonardo Magnus
Jornalista Mtb 19305/RS